Virou moda o uso de aplicativos (app), dispositivos e outros tantos meios. As finalidades são variadas. Desde controlar tempo de caminhada a monitorar sintomas e sinais de adoecimento. Nem tudo se resolve com app

Virou moda o uso de aplicativos (app), dispositivos e outros tantos meios. As finalidades são variadas. Desde controlar tempo de caminhada a monitorar sintomas e sinais de adoecimento.

Também virou moda o uso de app para melhorar a performance, casamento, relacionamentos e, é claro, a saúde mental. Com o aumento da procura por esse tipo de serviço nasce a preocupação com a qualidade, validade e benefícios desse modelo.

Quando falamos em saúde mental, a maioria das pessoas tende a imaginar alguém procurando um psicólogo ou psiquiatra para falar de problemas. Contudo, o que a maioria se esquece que saúde mental não é somente isso. Buscar um profissional capaz de ajudar a identificar sintomas e propor terapêuticas específicas é parte do tratamento.

Como está a prática de exercícios? E suas relações pessoais e de trabalho? Como anda a administração das atividades laborais e pessoais? Como está seu casamento? Como é o diálogo com seus familiares? Por que você faz o que sempre faz da mesma forma sempre? Essas e outras perguntas devem ser feitas para verificar a qualidade das diversas relações que mantemos no cotidiano. Porque saúde mental está mais relacionado a forma como vivemos do que a quantidade de coisa que temos, fazemos ou queremos.

Analisar a qualidade das relações seja no trabalho, no casamento, namoro ou família, a relação com amigos, a satisfação com o tipo de trabalho, sua carreira, o local onde você mora: isso é fazer saúde mental. Não basta detectar a insatisfação ou quaisquer outros sintomas dentro das relações. É preciso pensar sobre: “O que posso fazer para mudar? Quando posso fazer? Eu sei fazer isso sozinho? Tudo depende de mim ou tem mais pessoas envolvidas?”

Um fato que muitas vezes esquecemos é que precisamos de outra pessoa para interagir, fazer, ser e estar – e isso incluir ser e estar bem. Então, antes de contratar algum serviço de autoajuda, como um aplicativo, verifique se não é o começo de sua saúde não está nas alterações que precisam ser feitas nas suas relações.


Romilto Lopes

Psicólogo CRP 24/2276

Comentários

Mais do blog

Empresas devem ajudar na educação financeira dos profissionais

Ler mais...

#dojeitoseguro 33 Treinamento de NR 01

Ler mais...

Cartilha: Informações importantes sobre doenças mentais e suicídio

Ler mais...

Por que sentimos culpa por não estarmos ocupados?

Ler mais...